terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

Quem Precisa de Gurus?, ''Estejam'' Onde Vocês Estão, Vocês Não São Seus Pensamentos e Com A Morte do Ego Nasce O "Reino dos Céus"

É muito raro uma pessoa que faça seu trabalho sem querer chamar atenção para si, sem buscar publicidade ou tentar comercializar o que faz. É muito raro encontrar alguém que inspire sem desejar ser reconhecido por isso, que efetue curas sem pedir nada em troca. Você pode até procurar uma pessoa assim, mas, só vai encontrar se estiver preparado para seguir os passos dela.
Os melhores professores são os mais humildes, ou mais amorosos, os mais dispostos a capacitar as pessoas. Se você quiser encontrar um professor assim terá que ir além das aparências. Procure um homem ou uma mulher que não lhe prometa nada, mas, ame você sem hesitação. Procure o professor que não tenha a pretensão de corrigir ou ensinar você, mas, que abra seu coração quando olhar nos seus olhos.

Quando você pensa em grandes professores, logo imagina alguém com uma túnica diáfana e fulgurante, rodeado por uma multidão. Mas nenhum desses ornamentos é necessário. Na verdade, eles geralmente atrapalham.

O foco vai para o GURU e não para o aspirante. Um dia eu criarei uma casa de repouso para os GURUS. Vou pedir que se dirijam para um lindo lugar nos Andes ou no Himalaia, onde eles possam passar os dias jogando bocha ou dominó e parem de causar tanto problema.
Sem ninguém lá fora, investido de autoridade, para inspirar você ou dar valor para o que você faz ou diz, será preciso que você preste mais atenção na sua própria experiência ou orientação. Você terá que parar de buscar fogos de artifício e se encarregar da tessitura de sua própria vida. Terá que aceitar a tapeçaria que se estende a sua frente, com seus erros e tudo o mais".
(Trecho do livro O Milagre do Amor de Paul Ferrini)

Vivemos num mundo de aparências que está acabando. Iremos passar para uma dimensão onde todos serão livres para seguirem somente os caminhos apontados pelo seu coração, um mundo onde não mais encontraremos os chamados Mestres ou Gurus. Em todos os setores de vida, encontramos muitos deles, prometendo milagres, chamando a atenção para si, deixando as pessoas dependentes, e, isso não fortalece ninguém, pelo contrário, cria seres humanos fracos e com medo. E quem age assim, aproveita-se da falta de poder pessoal e desânimo alheio.

O verdadeiro milagre da criação, da manifestação, é sempre mérito da própria pessoa, que com uma pequena ajuda sustenta sua fé, cria coragem para agir, toma seu poder pessoal nas mãos, caminha sem hesitar, aceitando tudo que o Pai Maior lhe enviou, sabendo que Ele escreve certo por linhas tortas, e, portanto, nada é para sempre, nem o bom e nem o ruim, tudo passa, ficando somente o aprendizado que eleva a consciência.

Deus não fez ninguém melhor que ninguém, então, porque colocar um ser humano no pedestal? O que ninguém percebe é o quanto isso é perigoso para si mesmo, que fica dependente de muletas ou bengalas e para o outro, que se for uma pessoa egóica, imatura, e sem integridade, fica naturalmente com os méritos que lhe são oferecidos em nome de Deus. Viram Deuses orgulhosos e arrogantes, que se aproveitam das fragilidades alheias; pobres seres à espera de outra Sodoma e Gomorra.

Verdadeiros professores e curadores preferem o anonimato, não gostam de chamar a atenção para si, porque têm consciência que não alcançariam nada sem a ajuda divina. Sabem que são como pontes que deixam as pessoas mais confiantes em si mesmas, fortalecendo nelas a fé, a coragem, permitindo que o mérito fique com Deus e com a própria pessoa.

Mas, fazendo uma comparação com o que vivemos na política de nosso país, não dizem que cada povo tem o político que merece? E por quê? Porque votam sem nenhuma consciência, indo atrás das aparências, do glamour, do sucesso, de palavras bonitas e enfáticas, sem discernir, sem pesquisar a vida da pessoa, sem perceber que quem fala muito, julga excessivamente, conta histórias mirabolantes e sem nexo sempre culpando o outro pelas suas dificuldades, não pode ser uma pessoa séria.

Quem conhece um político que não faz sua propaganda em cima dos supostos defeitos do outro? E, mesmo assim, muitos votam nele, comprados pela ilusão. Então, percebemos que somos nós que devemos mudar, aprender a separar o joio do trigo e, assim, não permitir mais enganos.

A humanidade tem o defeito de ver a imperfeição em tudo e em todos, de dar ouvidos às constantes lamentações destrutivas daqueles que ainda não entenderam que as catástrofes vividas atualmente são reflexo daquilo que os seres humanos fizeram, mas, que não previram que a situação lhes escaparia do controle. E se continuarem a manipular as pessoas carentes e necessitadas em nome de Deus se tornarão incapazes de sustentarem-se em seus pódiuns por mais tempo. Veremos muito joio com título de Mestre enredado em suas próprias mentiras.


Tudo que precisamos entender é que a luz do Cristo que se expande nos corações dos indivíduos honestos e de boa vontade ajudará a Terra e aos homens a atraírem para si só a perfeição. Devemos evitar discutir assuntos discordantes, pois, quem fala a verdade não precisa se justificar, deve, sim, cortar os laços energéticos perniciosos.

Evitemos também nos perturbar pelas criações de outros, principalmente, aqueles que não aceitam ajuda.
Aprender a contemplar a perfeição que se manifesta através do nosso coração na vida é aceitar a plena atividade de nossa Divina Presença, aquela que dispensa Mestres e Gurus, pois, nos aponta sempre os caminhos mais corretos a seguir.

Vera Godoy


por El Morya Luz da Consciência - nucleo.elmorya@terra.com.br

“ESTEJAM” ONDE VOCÊS ESTÃO

A presença do seu corpo físico é também a presença do seu espírito, o lugar em que vocês estão no mundo é onde todos os seus aspectos existem. Vocês são mais poderosos quando os seus aspectos existem em integridade e harmonia com as vibrações mais elevadas do desejo da sua alma para vocês. Mas, vocês julgam sua realidade como sendo mais ou menos poderosa, alegre ou pacífica, e então, acreditam que, quando vocês não estão naquele nível de ser, a vida será melhor em outro lugar. O local atual é o lugar em que vocês vivem a vida e experimentam a plenitude do seu aprendizado e a ascensão que vocês precisam aprender para estar onde vocês estão, de fato.

Ao pensar que a sua vida será melhor em outra época, em outro lugar ou quando vocês ascenderem ou alcançarem as vibrações superiores, retira-os do lugar mais poderoso em que vocês podem estar, o momento presente. Há motivos para que escolhessem esta experiência, o lugar em que vocês estão, seu grupo de alma e a realidade que criaram. O seu propósito não é focar-se no futuro e esperar que ele seja melhor, é utilizar a energia do presente e alterá-la para suas expressões mais elevadas possíveis. Tudo existe em várias vibrações e sua intenção ao conectar-se com as mais elevadas lhes permitirá estar em alinhamento com elas.


O paradigma de vítima é um que a humanidade vive há eons, é a base da terceira dimensão e também é o motivo de haver o livre arbítrio. Mas, quando esse livre arbítrio é utilizado para perpetuar a vitimização, A que todos vocês sofreram, então, vocês acreditam que a vida além do que vocês sabem é melhor e que quando alcançarem esse lugar, serão abençoados. As bênçãos que vocês buscam, estão onde vocês estão, quando puderem aprender a “estar”onde estão e encontrar seu poder, força e coragem a cada momento.


A maioria das situações desprovidas de poder expressam a sua vitimização e é aí que vocês ressoam até que possam encontrar uma expressão superior para suas energias. Como podem ser poderosos neste momento e neste lugar, transformar a energia e permanecer atentos ao presente, em vez de tentar escapar para o futuro? Todo o seu poder e ascensão existem neste momento, assim, estejam nele, aprendam de suas energias, escolham aquelas que desejam experimentar e deixem a transformação começar. Vocês escolheram este lugar, este momento e esta lição para o seu crescimento e a cura da sua alma. Se não estiverem plenamente dentro dele, vocês não estão no seu propósito de vida e em seu caminho. E logo que vocês possam “estar”neste momento, vocês criam novas possibilidades para liberação do paradigma de vítima e novas realidades onde vocês expressem suas energias superiores para produzir o seu potencial mais elevado.


Mensagem do Arcanjo Uriel Canalizada por Jennifer Hoffman
31 de janeiro de 2011

..---ooo000ooo---..



VOCÊS NÃO SÃO SEUS PENSAMENTOS


Mensagens para assisti-los em seu despertar estão fluindo a partir de muitas fontes já que o momento deste evento feliz está cada vez mais próximo.

O número de seres sencientes oferecendo-lhes estímulo e apoio é enorme
, porque vocês são muitos e nenhum de vocês está sozinho ou sem orientação e amor.

Se vocês estiverem tendo dificuldade para acessar ou para acreditar nisso
, é porque o medo do desapontamento e as dúvidas a respeito de seu merecimento para participar do grande despertar, ou suas dúvidas quanto à ocorrência do grande despertar, os estão distraindo, e dificultando que vocês sintam o amor e a orientação que lhes estão sendo oferecidos.

Eu já dei ênfase à importância de reservar regularmente um tempo durante o dia para relaxar e acalmar suas mentes para que suas preocupações e ansiedades ilusórias não os dominem.


Quando vocês se esquecem de fazer isto, ou quando vocês até passam um tempo sozinhos, mas permitem que suas preocupações tomem sua atenção, seu apoio à ilusão e suas dúvidas se multiplicam.


Façam questão de perceber seus pensamentos de preocupação e de dúvida; percebam que eles são pensamentos dos quais vocês
podem se livrar.

Vocês não precisam estar absorvidos neles para que pareça que vocês e suas preocupações são Um - pois eles são simplesmente pensamentos e ideias que vocês podem desprezar.


Todos vocês passam pela experiência de pessoas dividirem suas ideias com vocês - ideias com as quais vocês não ressoam - e vocês não têm dificuldade para deixar
essas ideias para lá e não prestar atenção nelas.

Muitos dos pensamentos que rodam em suas mentes são exatamente como acima.


Isto simplesmente se dá porque os humanos tendem a se identificar com os pensamentos que giram em suas mentes e vocês acham difícil não prestar atenção a todos eles já que parece que eles têm grande valor para vocês.


Mas vocês não são seus pensamentos, e vocês podem ver isto claramente ao perceber cada pensamento que lhes ocorre e escolher substituí-lo por um diferente.

O pensamento vai embora, e vocês ficam.

Nos seus períodos diários de calma vocês podem fazer a observação de seus pensamentos conforme eles vêm à sua mente, e decidir sobre querer ou não dar alguma atenção a eles.


Ao fazer isto e
escolher não dar atenção a alguns deles, suas mentes ficarão mais calmas, deixando espaço para as respostas dos seus guias - às questões que vocês procuram aclarar - entrarem na sua consciência.

Quando vocês assim o fazem, fica demonstrado que vocês levam em consideração muitos pensamentos que não lhes fazem bem; e que isso de fato perturba a sua tranquilidade.


Quando vocês ficarem cônscios disto, vocês acharão muito mais fácil reconhecer e liberar esses pensamentos, e ao fazer isto, vocês se encontrarão sentindo-se mais calmos e mais tranquilos, já que o estresse da vida diária diminui, e os pensamentos que lhes causam preocupação e ansiedade ocupam muito menos o seu tempo.

Frequentemente vocês observarão que muitos desses pensamentos são a respeito do que alguém pode ou não pensar, dizer ou fazer, e que não há nada que vocês possam fazer quanto a esta questão, a não ser deixar ir.


Se se tornar necessário dar uma resposta, vocês a darão na hora apropriada... preocupar-se por antecipação normalmente é bastante contraprodutivo.


Quando vocês derem uma pausa... relaxem.


Lembrem-se de que
vocês estão onde deveriam estar, e que o Amor de seu Pai os apoia o tempo todo.

Se não os apoiasse, vocês não existiriam.


Vocês
despertarão e sua alegria será extática, porque Ele os criou em Amor para viver em eterna felicidade com Ele, e nenhuma outra opção está disponível ou é necessária.

Com muito amor, Saul.


Mensagem de Saul por John Smallman
30 de janeiro de 2011
-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.0000-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-



COM MORTE DO EGO NASCE O “REINO DOS CEUS”


ALÉM DO EGO: NOSSA VERDADEIRA IDENTIDADE
Quando o ego está em guerra, saiba que isso não passa de uma ilusão que está lutando para sobreviver. Essa ilusão pensa ser nós. A princípio, não é fácil estarmos lá como testemunhas, no estado de presença, sobretudo quando o ego se encontra nessa situação ou quando um padrão emocional do passado é ativado. No entanto, depois que sentimos o gosto dessa experiência, nosso poder de atingir o estado de presença começa a crescer e o ego perde o domínio que tem sobre nós. E, assim, chega à nossa vida um poder que é muito maior do que o ego, maior do que a mente. Tudo de que precisamos para nos livrar do ego é estarmos conscientes dele, uma vez que ele e a consciência são incompatíveis. A consciência é o poder oculto dentro do momento presente. É por isso que podemos chamá-la de presença. O propósito supremo da existência humana, isto é, de cada um de nós, é trazer esse poder ao mundo. E é também por isso que nossa libertação do ego não pode ser transformada numa meta a ser atingida em algum ponto no futuro. Somente a presença é capaz de nos libertar dele, pois só podemos estar presentes agora - e não ontem nem amanhã. Apenas ela consegue desfazer o passado em nós e assim transformar nosso estado de consciência. O que é a compreensão da espiritualidade? A crença de que somos espíritos? Não, isso é um pensamento. De fato, ele está um pouco mais próximo da verdade do que a idéia de que somos a pessoa descrita na nossa certidão de nascimento, mas, ainda assim, é um pensamento. A compreensão da espiritualidade é ver com clareza que o que nós percebemos, vivenciamos, pensamos ou sentimos não é, em última análise, quem somos, que não podemos nos encontrar em todas essas coisas, que são transitórias e se acabam continuamente. E provável que Buda tenha sido o primeiro ser humano a entender isso, e dessa maneira anata (a noção do não-eu) se tornou um dos pontos centrais dos seus ensinamentos. E, quando Jesus disse "Negue-se a si mesmo", sua intenção era afirmar: negue (e assim desfaça) a ilusão do eu. Se o eu - o ego - fosse de fato quem somos, seria um absurdo "negá-lo". O que permanece é a luz da consciência, sob a qual percepções, sensações, pensamentos e sentimentos vêm e vão. Isso é o Ser, o mais profundo e verdadeiro eu. Quando sabemos que somos isso, qualquer coisa que ocorra na nossa vida deixa de ter importância absoluta para adquirir importância apenas relativa. Respeitamos os acontecimentos, mas eles perdem sua seriedade plena, seu peso. A única coisa que faz diferença realmente é isto: podemos sentir nosso Ser essencial, o "eu sou", como o pano de fundo da nossa vida o tempo todo? Para ser mais exato, conseguimos sentir o "eu sou" que somos neste momento? Somos capazes de sentir nossa identidade essencial como consciência propriamente dita? Ou estamos nos perdendo no que acontece, na mente, no mundo?

TODAS AS ESTRUTURAS SÃO INSTÁVEIS

Seja qual for a forma que assuma, a motivação inconsciente por trás do ego é fortalecer a imagem de quem nós pensamos que somos, o eu-fantasma que passa a existir quando o pensamento - uma enorme bênção, assim como uma grande maldição - começa a dominar e a obscurecer a simples, e ainda assim profunda, alegria da conectividade com o Ser, a Origem, Deus. Independentemente do comportamento que o ego manifeste, a força motivadora oculta é sempre a mesma: a incessante necessidade de aparecer, ser especial, estar no controle, ter poder, ganhar atenção. E, é claro, a necessidade de experimentar uma sensação de isolamento, ou seja, de oposição, de ter inimigos. O ego sempre quer alguma coisa das pessoas ou das situações. No caso dele há sempre um plano oculto, um sentimento de "ainda não é o bastante", de insuficiência e falta, que precisa ser atendido. Ele usa as pessoas e situações para conseguir o que deseja e, até mesmo quando é bem-sucedido, nunca fica satisfeito por muito tempo. Em geral, vive frustrado com seus objetivos - na maior parte do tempo, a lacuna entre o "eu quero" e "o que acontece" torna-se uma fonte constante de aborrecimento e angústia. A clássica canção dos Rolling Stones (I Can’t Get No) Satisfaction ("Não consigo ter satisfação") é sua música. A emoção subjacente que governa todas as atividades do ego é o medo. O medo de não ser ninguém, o medo da não-existência, o medo da morte. Todas as suas ações, enfim, destinam-se a eliminar esse temor. No entanto, o máximo que o ego consegue fazer é encobri-lo temporariamente, seja com um relacionamento íntimo, a aquisição de um novo bem ou tendo um bom desempenho numa coisa ou noutra. A ilusão nunca nos satisfaz. Apenas a verdade de quem nós somos, se compreendida, nos libertará. Por que o medo? Porque o ego surge pela identificação com a forma e, na verdade, ele sabe que nenhuma forma é permanente, que todas elas são transitórias. Assim, há sempre um sentimento de insegurança ao seu redor, mesmo que externamente ele pareça confiante. Certa vez, quando eu caminhava com um amigo numa linda reserva natural próxima a Malibu, na Califórnia, chegamos às ruínas do que fora uma casa de campo, destruída pelo fogo décadas atrás. Aos nos aproximarmos da propriedade, toda cercada de árvores e de plantas magníficas, vimos, ao lado da trilha, uma placa que as autoridades do parque haviam colocado ali. Nela estava escrito: "Perigo. Todas as estruturas são instáveis." Comentei com meu amigo: "Este é um sutra profundo." E ficamos parados, impressionados. Depois que compreendemos e aceitamos que todas as estruturas (formas) são efêmeras, até mesmo os materiais aparentemente sólidos, a paz surge dentro de nós. Isso acontece porque o reconhecimento da impermanencia de todas as formas nos desperta para a dimensão do que não tem forma no nosso interior, o que está além da morte. Jesus chamou isso de "vida eterna".

A NECESSIDADE DO EGO DE SE SENTIR SUPERIOR

Existem muitas formas sutis de ego que, mesmo sendo tênues, podemos observar com facilidade nas pessoas e, mais importante, em nós. Lembre-se: no momento em que nos tornamos conscientes do nosso ego, essa consciência emergente é quem somos além do ego, o "eu" profundo. O reconhecimento do falso já é o surgimento do real. Por exemplo, imagine que você está prestes a contar uma novidade a alguém. "Já sabe o que aconteceu? Não? Vou lhe dizer." Se estiver alerta o suficiente, no pleno estado de presença, será capaz de detectar um rápido sentimento de satisfação dentro de si imediatamente antes de dar a notícia, até mesmo se ela for má. Isso ocorre porque, por um breve momento, existe, aos olhos do ego, um desequilíbrio a seu favor na relação entre você e a outra pessoa. Durante esse instante, você sabe mais do que ela. Essa satisfação provém do ego e ela surge porque sua percepção do eu é mais forte em comparação com a outra pessoa. Ainda que o interlocutor seja o presidente ou o papa, você se sente superior a ele naquele momento porque sabe mais. Esse é um dos motivos que fazem com que muita gente se vicie em fofoca. Além disso, a fofoca costuma carregar um elemento de crítica e julgamento malicioso dos outros. Dessa forma, também fortalece o ego por meio da superioridade moral imaginada, que fica implícita em toda apreciação negativa que fazemos de alguém. Se uma pessoa tem mais, sabe mais ou pode fazer mais do que nós, o ego se sente ameaçado porque o sentimento de "menos" diminui sua percepção imaginada do eu em relação a ela. Assim, ele pode tentar se recuperar procurando, de algum modo, criticar, reduzir ou menosprezar o valor das capacidades, dos bens ou dos conhecimentos desse indivíduo. Ou pode mudar de estratégia: em vez de competir, vai se valorizar por meio da associação com essa pessoa, caso ela seja considerada importante aos olhos dos outros.

por Eckhart Tolle
Publicado em 01 de fevereiro de 2011

Texto extraído do livro “O DESPERTAR DE UMA NOVA CONSCIÊNCIA” de Eckhart Tolle
Fonte: http://aluisionestelar.ning.com/profiles/blog/show?id=2184342%3ABlogPost%3A608612&xgs=1&xg_source=msg_share_post


2 comentários:

Brasigrega disse...

Belíssimas mensagens.
Verdades que tocam profundamente a alma.
Um grande abraço

Brasigrega disse...

As mudanças são necessárias e, nem sempre causam conforto.
Devemos estar preparados, pois, tem muita coisa pra acontecer ainda.
Um abraço